Topónimos germânicos (I): terminações em -rei.

Continuando com o antecipado na nota anterior sobre Guimarães e Guimarei, agora vamos abundar no processo antropónimo > topónimo, centrando a vista nos antropónimos germânicos cuja terminação -rei estava já em Guimarei e que dá lugar, através de outros antropónimos, a uma série bastante abundante na toponomástica galega e, sem dúvida, especialmente no que diz a respeito da antropotoponímia.


Topónimos com terminação em -rei
na CAG. Fonte: Sitga-Ideg.
Fazendo uma pesquisa no Nomenclátor da Galiza via SITGA-IDEG, e excluindo, logicamente, aqueles topónimos referidos mais ou menos evidentemente a um rei (< lat. rege), o que se obtém é uma listagem em que figuram, por ordem alfabética: Aldrei (2), Argerei (1), Asorei (1), Astrei (1), Augarrei (1), Bozarrei (3), Carderrei (1), Farei (1), Forcarei (2), Garei (1), Gondarei (1), Gondrei (1), Gigirei (1), Girei (1) Guimarei (6), Jubrei (1), Lagarei (1), Leborei (2), Legarei (5), Marei (1), Recarei (11), Roxofrei (2), Sabarei (1), Sigirei (1), Silvarrei (1), Soporrei (2), Turei (3), Visirei (1) e Xanrei (1).

1. EQUIVALÊNCIAS DIRETAS

Para alguns destes topónimos há claras correspondências nos nomes germânicos, que no caso das terminações atuais -rei, procedem através do genitivo, incorporando inicialmente um elemento do tipo "terra", "villa" ou "hereditate" que, logicamente, termina desaparecendo. De modo que Aldrei, será, etimologicamente, por exemplo, a vila de Alderedus ou "villa Alderedi" > "(villa) Ald(e)re(d)i" > Aldrei. E do mesmo modo que para Aldrei, há ocorrências documentais de nomes como Argeredo (Argerei), Asoredo (Asorei), Astredo (Astrei), Fulcaredo (Forcarei), Vimaredo (Guimarei), Malaredo (Marei), Sabaredo (Sabarei), Leoveredo (Leborei) e Recaredo (Recarei).

2. GONDAREI/GONDREI e SIGIREI/GIGIREI/GIREI

Alguma explicação mais merecem outros topónimos como Gondarei e Gondrei. Para Gondrei, o antropónimo equivalente e evidente é Gunderedo (via Gund(e)redi > Gundrei > Gondrei), cuja forma Gunderico (Gunderici) está por trás de numerosos topónimos Gundriz e Gondriz. Esta explicação tão clara obriga a assumir que, no caso de Gondarei, o -a- é metafónico, e que tanto Gondrei como Gondarei foram terrenos de algum Gunderedo. Na mesma linha, o caso de Sigirei, de Sigeredo, e em cujas variantes Gigirei e Girei, a evidente e pouco importante palatização do s- inicial e a haplologia Gigi- > Gi- também não devem desviar a atenção do antropónimo Sigeredo.

3. OUTROS CASOS

O problema de Visirei (graf. isol. Bisirei) é bem outro: não há documentado qualquer antropónimo Visiredo e, porém, a referência parece clara. Há, em troca, ocorrências de Visulfus, Visegildo, Visaldo, Visaridus e Visello que tornam provável (nomeadamente Visaridus) a existência desse Visiredo ou Viseredo necessário. E o mesmo acontece com Jubrei, sem que esteja documentado Iuberedo, mas sim Iuverico, Iuvila, Iuvitus e assim por diante. No mesmo grupo está Garei, que poderia provir de *Gaderedo, não documentado, mas dedutível dos sim presentes Gademiro ou Gadenanda.

Quanto a Farei, poderia ser que proceda de Fraredo, que em lógica evolução daria Frarei, sem que haja qualquer motivo fonético ou morfológico para a queda do -r- (F(r)arei). Outra opção seria proceder de Fateredo, que também está documetado, mas que daria, pela linha habitual de evolução, Fadrei (via Fat(e)redi > Fadredi > Fadrei) e não Farei (via Faderedi > Fa(d)eredi > Faeredi > Faredi > Farei). De modo que não é possível observar uma equivalência certa entre Farei e qualquer antropónimo germânico documentado, por mais que a palavra pareça ter essa procedência. Isto coloca-nos imediatamente perante duas possibilidades: a) que, existindo, ainda não se tenha localizado antropónimo equivalente; e b) que Farei não provenha de genitivo nenhum, nem de antropónimo germânico nenhum.

Junto com Farei, outros topónimos terminados em -ei tampouco encontram acomodo entre os antropónimos germânicos, quanto menos de maneira clara. Dentre eles, alguns podem ter perfeitamente uma explicação por outra via, como no caso de Carderrei, que bem poderia responder a um rotacismo de -s- em Cas de Rei. Também a um rei (< lat. rege) poderia responder Augarrei, mas outros, como Bozarrei, Legarei, Roxofrei, Silvarrei, Soporrei, Turei e Xanrei, embora a sua aparência germânica, continuam sem resolver-se e poderiam responder a outras origens.

LEIA MAIS:

  1. Topónimos germânicos (I): Terminações em -rei
  2. Topónimos germânicos (II): Terminações em -riz
  3. Topónimos germânicos (III): Terminações em -mil
  4. Topónimos germânicos (IV): Terminações em -ulfe, -ufe, -oufe
  5. Topónimos germânicos (V): Terminações em -sende e -sinde
  6. Topónimos germânicos (VI): Terminações em -ilde

ATUALIZAÇÃO

Nomes do País disponibiliza já um Compêndio de temas antroponímicos germânicos na Gallaecia

Sem comentários:

Enviar um comentário